Tecnologia

Atmosfera modificada

Embalagem com Atmosfera Modificada - ATM

Métodos mais sofisticados de embalagem estão se tornando cada dia mais importantes para garantir uma extensão da vida útil de produtos alimentícios e melhorar sua apresentação no ponto de venda.

A promessa da nova tecnologia é muito forte: dobrar ou mesmo triplicar a vida útil dos produtos na prateleira. O impacto na logística de distribuição e no giro destes produtos no ponto-de-venda representa uma revolução na forma de embalar.

Entretanto, embalar com atmosfera modificada requer cuidados fundamentais para a obtenção dos resultados desejados. São quatro os fatores determinantes de um processo ATM:

- Embalagem com material tipo barreira (existem diferentes materiais para cada tipo de produto);

- Máquinas de embalar à vácuo com dispositivo para inserção de gases;

- Mistura correta dos gases a serem inseridos na embalagem, de acordo com o tipo de produto;

- Equipamentos de análise dos gases para controle adequado do processo. 

Em que consiste embalar produtos perecíveis com Atmosfera Modificada - ATM

Consiste em retirar a maior parte do oxigênio residual presente nas embalagens, introduzindo uma mistura de gases (na maioria dos casos nitrogênio e dióxido de carbono) de forma a inibir a proliferação de micro-organismos, formação de fungos e retardar a ação enzimática natural em certos produtos. O resultado é um produto que se mantém fresco por um período muito maior, sem necessidade de congelamento.

Basta manter o produto sob refrigeração. Um outro benefício importante é que a embalagem com atmosfera modificada reduz ou mesmo elimina a necessidade de conservantes, uma exigência cada vez mais presente no consumidor moderno.

Na tabela abaixo pode-se ter uma idéia da extensão da vida útil para uma série de produtos. Todavia, a determinação da vida útil irá depender da correta mistura dos gases e das qualidades do material da embalagem e dos equipamentos de embalar. 

Produto

sem ATM

com ATM

Carnes frescas

2 – 4 dias

5 – 8 dias

Miúdos bovinos

2 – 6 dias

4 – 8 dias

Frangos e Aves

4 – 7 dias

10 – 21 dias

Carnes

1 – 3 sem

3 – 7 sem

Peixes

2 – 3 dias

4 – 6 dias

Massas frescas

1 – 2 sem

3 – 4 sem

Queijos

1 – 4 sem

2 – 12 sem

Vegetais

3 – 14 dias

7 – 21 dias

Frutas frescas

2 – 7 dias

5 – 35 dias

 

Carnes

A carne é originalmente uma substância estéril. No entanto, quando cortada, as superfícies expostas ao ar ambiente são locais ideais para o crescimento da maioria das bactérias. Por isso, a higiene é um fator de vital importância nas etapas de pré-processamento e embalagem – manutenção das ferramentas e equipamentos limpos - para minimizar contaminação do produto. A utilização de Atmosfera Modificada - ATM aumenta a vida útil do produto e melhora a apresentação no ponto de venda.

Devido à sua alta umidade, a carne e os produtos derivados são particularmente suscetíveis ao crescimento de bactérias. O dióxido de carbono possui um forte efeito inibidor ao crescimento destas bactérias, que representam o maior problema na carne fresca.

Para que se obtenha uma aparência atrativa, é importante manter um certo nível de oxigênio na embalagem, combinado com o dióxido de carbono, de forma a manter a coloração vermelha típica da carne.

Frutas e vegetais

Durante anos, uma das principais preocupações da indústria alimentícia foi a conservação de frutas e vegetais, de modo a atingir um bom estado de maturação para o consumo.

A aparência, o aroma e o sabor destes alimentos recém colhidos são as condições fundamentais que o processo de Atmosfera Modificada trata de preservar. Os principais mecanismos de deterioração que afetam as frutas e verduras frescas, inteiras, cortadas, ou descascadas, são o crescimento microbiano, o escurecimento enzimático e a perda de umidade. O uso da Atmosfera Modificada é muito efetivo para inibir estes mecanismos, além de aumentar a vida útil (em até 15 días) ao reduzir a respiração, a maturação e o amolecimento dos produtos frescos.

Os melhores resultados são obtidos quando o produto está embalado com um material de nível intermediário de permeabilidade, que lhe permita perder a umidade necessária, de modo que a taxa de transmissão de oxigênio e dióxido de carbono nivele proporcionalmente a taxa de respiração da fruta ou verdura.

Produtos lácteos

O crescimento microbiano e o ranço são as principais causas da deterioração da qualidade dos produtos lácteos. O tipo de decomposição depende das características particulares de cada produto. Por exemplo, os queijos duros - com pouca umidade relativa - são normalmente afetados pelo crescimento de mofo, enquanto os queijos brancos ou cremosos - com alto teor de umidade - são mais suscetíveis à fermentação e ranço.

Em queijos duros, a aplicação de Atmosfera Modificada detém e reduz a atividade microbiana e contribui para a manutenção da textura. Nos queijos macios, inibe o crescimento bacteriano e o ranço. No caso particular de embalagens de leite em pó, é indispensável desalojar o oxigênio residual da embalagem para prevenir o ranço, conservando a qualidade original do leite.

Com a utilização de Atmosfera Modificada os aditivos químicos são quase sempre desnecessários.

Peixes e frutos do mar

Os pescados frescos perdem rapidamente sua qualidade original devido ao crescimento microbiológico e aos processos enzimáticos. A sensibilidade de peixes e frutos do mar deve-se à alta atividade da água, ao pH neutro (melhor para o desenvolvimento de microorganismos) e a presença de enzimas, que prejudicam rapidamente o gosto e o aroma. A decomposição de proteínas causada pelos microorganismos e a oxidação de gorduras não saturadas provocam sabor e odores desagradáveis. Por este motivo, a maior parte dos peixes e frutos do mar necessitam de cuidados especiais durante seu processamento antes de chegar ao consumidor.

Para utilizar embalagem com Atmosfera Modificada deve-se ter em conta as características próprias de cada alimento, o tipo de gás e o processo de embalagem utilizado. No caso do pescado fresco, a embalagem em Atmosfera Modificada que contém nitrogênio, dióxido de carbono e oxigênio na proporção correta - na temperatura de conservação adequada – permite prolongar sua vida útil em vários dias.

Produtos de panificação

Os principais fatores que deterioram os produtos de panificação são o crescimento de fungos e a decomposição química. A fermentação pode causar problemas em produtos recheados, porém, uma vez que é baixa a presença de água nestes produtos, o crescimento de microorganismos, principalmente fungos, é mais difícil.

O fungo é um microorganismo aeróbico, que pode ser controlado efetivamente utilizando dióxido de carbono e, consequentemente, estender a vida útil de produtos de panificação por vários dias. O uso de Atmosfera Modificada é especialmente recomendado para produtos de panificação doces, pasteis e pães de centeio.

Alimentos preparados

A crescente demanda por pratos prontos tornou-se uma exigência dos consumidores modernos, que querem desfrutar o sabor da refeição recém preparada e que não dispõem do tempo necessário para este preparo. Isto gera um grande desafio para os produtores: levar refeições prontas para servir à mesa dos consumidores, sem utilização de aditivos e conservantes artificiais.

A utilização de embalagens com Atmosfera Modificada é indicada para a conservação de produtos como pizza, lasanha, saladas e todo tipo de alimentos pré-elaborados, melhorando a qualidade e o tempo de processamento.

Outras indústrias alimentícias

Outras indústrias alimentícias, como a de confeitos, massas e café podem beneficiar-se com o know-how da tecnologia de Atmosfera Modificada que a Sunnyvale oferece. No caso de massas frescas, por exemplo, há também a questão de se evitar o amassamento do produto que ocorreria em uma embalagem somente a vácuo.

Os produtos secos, tais como, cereais, especiarias, amendoim, castanhas, frutas secas, café, chás, chocolate em pó, entre outros, necessitam de uma atmosfera inerte para aumentar sua vida útil, uma vez que possuem alto teor de gordura e são muito suscetíveis à oxidação. O aumento da vida útil e a qualidade destes produtos dependem totalmente da concentração de oxigênio presente na embalagem. Mesmo pequenas quantidades de oxigênio podem destruir a qualidade e impedir que os produtos possam ser vendidos. A embalagem com Atmosfera Modificada oferecida pela Sunnyvale pode ampliar a vida útil destes produtos por vários dias.

 

Vácuo

Assim como todas embalagens , as embalagens a vácuo tem como objetivo a proteção do produto que está em seu interior protegendo-a de reações oxidativas e das bactérias aeróbicas e prolongando sua vida de prateleira

O objetivo principal da embalagem a vácuo é proteger o alimento do contato com o oxigênio que: favorece o crescimento dos microrganismos aeróbios de alto potencial de deterioração, causando descoloração; acarreta a rancidez das gorduras e provoca a descoloração, decorrente da oxidação do pigmento da carne.
Nas embalagens a vácuo, alguns parâmetros devem ser considerados, pois influem diretamente na vida de prateleira do produto:
 
Nível de vácuo aplicado – definirá o teor de oxigênio residual na embalagem em contato com o produto e conseqüente alteração de cor, deterioração microbiológica e oxidação de gorduras;
 
Taxa de permeabilidade ao oxigênio do material de embalagem – deverá ser baixa, pois a entrada de pequena quantidade de oxigênio na embalagem gera uma baixa pressão parcial deste gás, que favorece a descoloração de pigmentos das carnes frescas e curadas;
 

“Aderência” da embalagem ao produto – desejável para minimizar a exsudação de líquidos, que prejudicam a aparência e favorecem a deterioração microbiológica;

Temperatura de estocagem – irá reger a velocidade da deterioração microbiológica e da descoloração.

Quando o alimento é embalado a vácuo em uma embalagem em que a barreira é a gás, altera-se radicalmente a atmosfera gasosa ao redor da superfície do produto. No caso de carnes, por exemplo, a pequena quantidade de oxigênio remanescente no interior da embalagem é consumida pela atividade metabólica da carne e de bactérias. Cria-se, assim, um microssistema anaeróbico/microaeróbico dentro da embalagem, que auxiliado pelo efeito inibitório do CO2 liberado na respiração, retarda o crescimento de bactérias deterioradoras, como os Pseudomonas, permitindo a predominância de bactérias lácticas, que tem menor potencial de deterioração e crescimento limitado a baixas temperaturas. O resultado é a vida de prateleira mais longa do que o alimento fresco exposto no ar.
 

A propriedade mais importante do material de uma embalagem a vácuo é a barreira a gás, em particular, a taxa de permeabilidade ao oxigênio. Outras propriedades importantes são a baixa permeabilidade ao vapor d’água (para evitar desidratação superficial, como conseqüente perda de peso, descoloração e necessidade de aparas), barreira a aromas, alta resistência mecânica (para resistir às solicitações de manuseio e transporte), enchentes características de soldabilidade (a fim de evitar vazamento e conseqüente perda de vácuo), boa maquinabilidade, boas características de impressão e/ou transparência e custo compatível com a aplicação, podendo ser do tipo encolhível ou não.

Inspeção

A Sunnyvale representa empresas líderes de mercado na linha de equipamentos de inspeção e controle de qualidade, com sistemas de alta tecnologia que atendem às conformidades das normas internacionais:

  • S+S – Alemanha – Detectores de Metais
  • Anritsu – Japão – Sistemas de Inspeção por Raio-X.
  • Witt Gas – Alemanha – Analisadores de Gases para aplicações com atmosfera modificada
  • Bizerba - Alemanha - Verificadores de Pesos “Checkweighers”.

 O tema de segurança alimentar “food safety” e qualidade são sempre os mais importantes nas indústrias alimentícias e farmacêuticas. Os contaminantes são considerados substâncias indesejáveis e podem causar sérios danos à saúde humana.

Estudos realizados no Japão reportam que 30% das reclamações dos clientes são de contaminantes classificados como perigosos “hard dangerous” (metais, pedras, vidros, agulhas, plásticos e borrachas) que colocam a saúde do consumidor em risco.

Com a implementação de sistemas de inspeção nas indústrias, estes riscos ao consumidor são prevenidos, assegurando a qualidade, a segurança dos produtos e a integridade da marca.

Geralmente, os contaminantes se agregam aos produtos durante o processo de colheita, transporte, e processamento.
Por esta razão, diversos segmentos necessitam de inspeção confiável nas embalagens, tais como, indústrias alimentícias, de bebidas, farmacêuticas, químicas, cosméticas, etc.

Além do controle final das embalagens, muitas empresas utilizam detectores de metais inspecionando o recebimento de matérias primas para proteção das máquinas, pois as partículas metálicas podem danificar equipamentos e dispositivos durante o processamento dos produtos.

Os fabricantes de equipamentos de inspeção se preocupam em desenvolver soluções confiáveis que atendam às atuais necessidades e exigências dos clientes.

O sistema de inspeção por Raio-X da Anritsu, apresenta alto nível de detecção que permite detectar partículas de metais com diâmetro a partir de 0.2mm, além de detectar vidros, arames, pedras, ossos, falta de produto na embalagem, etc.

Essas máquinas possuem como opcional, grau de proteção “IP69K” (NEMA PW12) para suportar ambientes com higienizações agressivas, como é o caso dos frigoríficos.

Destacamos o avanço na conectividade, pois esses equipamentos possuem porta USB e Ethernet que possibilitam a coleta dos relatórios e gráficos de inspeção em tempo real, proporcionando a efetiva rastreabilidade do processo de acordo com as necessidades dos usuários.

O portfólio de soluções Sunnyvale para inspeção e controle de qualidade atende a todas as necessidades dos clientes com tecnologias de ponta, conforme quadro a seguir:

 

 

 

Codificação

Na Divisão de Codificação Industrial da Sunnyvale, você encontrará as melhores soluções para codificar, marcar e identificar produtos.

Em mais de trinta anos de experiência no mercado nacional, a Sunnyvale tem oferecido no Brasil o que há de mais avançado em tecnologias de codificação para a indústria.

Através de uma rede de representantes e distribuidores estrategicamente localizados para a cobertura de todo o mercado brasileiro, além de representantes de vendas com base em São Paulo, oferecemos suporte comercial e técnico para clientes situados em qualquer região do Brasil.

Veja a seguir as linhas de produtos da Divisão de Codificação Industrial e entre em contato conosco para que possamos ajudá-lo a especificar a solução que melhor atenda às necessidades de sua empresa.

LASER CO2 / YAG

 A tecnologia laser possibilita gravação diretamente em embalagens, produtos, partes ou peças, de forma indelével, logotipos, desenhos complexos, números em série, códigos de lotes, códigos de barras, etc.  de forma estática ou em movimento.

As codificadoras laser YAG são ideais para as aplicações que exijam uma certa durabilidade da marcação, onde a aplicação deva ser permanente. As codificadoras Laser YAG podem marcar perfeitamente peças automotivas, componentes eletrônicos, instrumentos cirúrgicos, implantes cirúrgicos e equipamentos;

CODIFICADORA INKJET DE ALTA RESOLUÇÃO

As codificadoras inkjet de alta resolução para caixas de embarque são ideais para impressão em caixas de papelão, papel kraft e toda gama de materiais porosos.

CODIFICADORA INKJET DOD

As codificadoras inkjet para grandes caracteres são ideais para a impressão em caixas de papelão, sacos plásticos, ráfia, papel kraft, madeira, produtos extrudados como tubos de PVC, entre outros substratos, usados principalmente nas indústrias de alimentos, como farinha e açúcar, ração animal, matérias-primas, cimentos, sementes etc

CODIFICADORA INK JET – CIJ

As codificadoras ink jet trabalham em alta velocidade, imprimem códigos de barras, datas de validade, números de lote, logotipos e numeração contínua em linhas de produção para os segmentos mais variados, como as indústrias alimentícia, farmacêutica, cosmética, bebidas, entre outras.

CODIFICAÇÃO PERMANENTE

As codificadoras por micropuncionamento são utilizadas para marcações pesadas tais como chassis de motor, gravações em formato linear, angular ou radial, contendo: logotipos, data matrix (2D), números seriais, data e turno. Seja em superfície irregular, plana ou curva, sua gravação oferece ótima qualidade e legibilidade.

 

 

Injeção

Repetibilidade é uma palavra que soa como suave canção nos ouvidos dos executivos que trabalham em empresas ligadas à injeção de termoplásticos. Significa a produção de grandes lotes de peças com qualidade dentro dos limites especificados pelos projetistas, o que também pode ser traduzido por uma operação industrial que proporciona excelente retorno financeiro.

A busca pela repetibilidade é um desafio antigo e complicado que depende de vários itens presentes nas linhas de produção, entre os quais merece lugar de destaque a possibilidade de as máquinas injetoras realizarem seus ciclos dentro dos parâmetros adequados de operação em todas as peças que produz. É nesse campo que a eletrônica tem dado grande contribuição para as transformadoras. Ajudadas pelo impressionante desenvolvimento da informática, vem ocorrendo um constante aperfeiçoamento dos controles eletrônicos oferecidos pelo mercado, que contam com recursos há poucos anos inimagináveis.

Hoje, todos os parâmetros de funcionamento das injetoras calculados para a obtenção de um ciclo de injeção ideal são programados e controlados com elevados índices de precisão. O controle total do processo pode ser feito na hora por meio da análise de gráficos os mais variados. As máquinas podem ser interligadas em rede, o que permite a análise à distância e simultânea da produção de uma fábrica com muitos equipamentos.

No caso dos controles mais sofisticados, as injetoras, com a ajuda de circuitos hidráulicos dotados de servoválvulas, chegam a fazer a correção de qualquer parâmetro que fuja das especificações desejadas em uma velocidade espantosa, que não ultrapassa a casa de alguns milésimos de segundo. Assim, se a matéria-prima apresentar qualquer pequena variação em suas propriedades, alguns modelos, por meio da avaliação da forma como ocorre a compactação da massa dentro da cavidade do molde, fazem as correções necessárias para que as peças sejam produzidas dentro das especificações desejadas.

Hoje, dois tipos de controles oferecidos pelos fabricantes podem ser encontrados no mercado. Um deles, mais antigo e usado, é o chamado controle lógico programável (CLP), baseado em tecnologia desenvolvida especialmente para uso industrial. A outra opção, mais recente, foi desenvolvida a partir da adaptação da plataforma Windows, da Microsoft, nos comandos das máquinas.

Os dois tipos são encontrados com preços parecidos e oferecem recursos similares. A principal diferença entre eles é a forma como são operados. Como a tecnologia da Microsoft é predominante no mundo da informática, muitos acreditam que a operação da máquina que leva o Windows embarcado torna-se mais simples. Para provar tal afirmação, os defensores dessa tese lembram que o sistema permite a comunicação entre operadores e executivos da empresa via internet, e podem receber upgrades com maior facilidade. Outros acreditam que os CLP’s, por serem originalmente desenvolvidos para fins industriais, apresentam maior robustez.
 

Voltar